Veja como anda o empreendedorismo feminino no Brasil

empreendedorismo feminino é um tema de destaque no mundo empresarial contemporâneo. Afinal, no Brasil, as mulheres representam 51,5% da população, sendo um nicho considerável para novas ideias e um mercado consumidor inovador. Infelizmente, devido a uma estrutura social machista, o empreendedorismo feminino é muitas vezes sub-representado.

No entanto, esse cenário tem mudado bastante nos últimos anos e o percentual de mulheres que se declaram chefes de família cresceu de 23% para 40%. O mais interessante é que muitas delas estão se arriscando no mundo empresarial, abrindo negócios realmente inovadores e ganhando destaque.

O que é empreendedorismo feminino?

O empreendedorismo feminino ocorre quando uma mulher ou um grupo de mulheres iniciam, organizam e gerem uma empresa. Elas, portanto, são protagonistas de seus modelos de negócio. Para receber o título de empreendedoras, precisam inovar em algum aspecto, o que pode incluir uma série de ações: criação de novos produtos, revolução no modelo de gestão, elaboração de novas técnicas de produção etc.

Uma famosa empreendedora indiana, Kamal Singh, tem uma excelente definição do termo:

A mulher empreendedora é uma mulher confiante, inovadora e criativa capaz de alcançar independência autônoma individualmente ou em colaboração, gerando oportunidades de emprego para outras pessoas ao iniciar, estabelecer e administrar a empresa mantendo ritmo com sua vida pessoal, familiar e social.

O mais interessante do empreendedorismo feminino é o empoderamento que ele proporciona a outras mulheres. Afinal, essas empresas são mais propensas a contratar outras mulheres e pagar um salário igual ao recebido por homens na mesma função. Além disso, as empreendedoras são muito mais solidárias com suas colegas, ajudando-as no início dos seus negócios e formando uma rede de cooperação muito saudável.

Desse modo, as empreendedoras são mulheres que verdadeiramente assumem os riscos de administrar uma empresa em um cenário cada vez mais competitivo. Elas confiam em suas ideias e batalham para que tudo dê certo, mesmo que precisem dar muito sangue para isso.

Não é à toa que as estatísticas a respeito do empreendedorismo feminino são impactantes:

  • 41% das mulheres chefes de família são donas de seu próprio negócio,
  • elas também representam 51,2% de todos os novos empreendedores do mundo,
  • No Brasil, o faturamento médio das microempreendedoras chegará a R$ 24 mil por ano,
  • Elas ocupam 43,2% dos cargos de gerência nas micro e pequenas empresas.

Por esse motivo, o Sebrae realizou um levantamento sobre o perfil dessas figuras inspiradoras:

40% delas são mulheres com menos de 34 anos que estão concentradas principalmente em quatro áreas de atuação: restaurantes (16%), serviços domésticos (16%), cabeleireiros (13%) e comércio de cosméticos (9%). A maior parte empreende dentro de casa (35%).

Portanto, são sobretudo jovens que buscam conciliar o trabalho com a vida pessoal sem se sobrecarregar. Além disso, trabalham com segmentos voltados para outras mulheres de modo que possam melhorar a qualidade de vida uma das outras.

Quais são as funções de uma mulher empreendedora?

Explorar as perspectivas de iniciar uma nova empresa.

Começar um negócio implica compreender o mercado e explorar nichos ascendentes de uma forma única. Isso demanda bastante perspicácia e pensamento analítico, pois é necessário compreender os novos padrões de consumo para elaborar uma ideia capaz de conquistar clientes rapidamente.

Gerir os riscos e as incertezas econômicas

Empreender começa sempre com um investimento financeiro, mas não tem retorno garantido. Por isso, a mulher empreendedora deve buscar a criação de um modelo de negócios sustentável a longo prazo e apto para lidar com as flutuações econômicas.

Introduzir inovações

Quando pensamos em inovação, acabamos sempre pensando em tecnologia. É essencial contar com um maquinário de ponta na empresa, mas inovar pode ir muito além disso e a mulher empreendedora sabe que é capaz de gerar novos modelos produtivos e novidades administrativas. Afinal, quem faz mais do mesmo não se destaca no mercado

Supervisionar e liderar

Sabe aquele ditado que diz que um negócio não cresce sem os olhos do dono? Então, faz parte essencial do empreendedorismo incentivar e garantir que todas as tarefas sejam feitas pela equipe. Além disso, a mulher empreendedora deverá ser uma líder, gerando confiança e inspiração nas outras pessoas. Liderar não significa mandar, e sim saber motivar e cultivar os talentos de cada membro da empresa.

Quais são os casos de sucesso do empreendedorismo feminino no Brasil?

Agora, conheça alguns casos de mulheres empreendedoras bem-sucedidas, que, como você, começaram do zero para montar modelos de negócios incríveis e lucrativos:

Euzira

Euzira é uma entre as mais 3 milhões de Brasileiras que moram nos Estados Unidos da América, mas ela nunca se igualou a ninguém nesta jornada. Desde que iniciou sua jornada, o foco e otimismo sempre foram seus maiores combustíveis para vencer na vida! Hoje ela é um caso de sucesso que já ultrapassou a fronteira do país, a simpatia e carisma de nossa nacionalidade caíram no gosto dos Americanos e hoje Euzira fabrica diversos brindes e sabonetes personalizados com as máquinas da Rimaq para eventos sociais e corporativos e atende clientes espalhados por todo o continente Norte Americano.

Gláucia

Gláucia é um exemplo nato de como os sonhos de empreender podem se tornar independência financeira em nossa vida. Nascida em Palmas no Tocantins, depois de anos de uma carreira profissional como administradora, Gláucia migrou para Valinhos/SP onde encontrou no ramo da saboaria artesanal a oportunidade de empreender e garantir o sucesso financeiro. Hoje sua loja, a Casa da Fulô, é referência em artesanato e sabonetes artesanais e personalizados, e atende diversos eventos sociais e corporativos. 

Essas mulheres são como você: começaram com um negócio pequeno, foram desenvolvendo seus negócios aos poucos, conciliaram a vida pessoal com a gestão empresarial e tiveram bastante sucesso. Por isso, você não deve jamais desanimar dos seus sonhos. O nicho do empreendedorismo feminino está crescendo cada vez mais, recebendo muito investimento de bancos e investidores. Além disso, o apoio mútuo das empresárias têm tornado a tarefa de empreender muito mais fácil. Tem uma boa ideia de negócio? Então, faça ela amadurecer e conquiste o mundo!

Quer saber como o bom relacionamento com os clientes é essencial para o crescimento do seu empreendimento? Então, não deixe de conferir o nosso post especial sobre esse assunto!